domingo, fevereiro 19, 2006

Renascer, voltar a aparecer.

Passei por uma fase de muita mudança na minha vida, onde não tinha tempo para postar ou fazer qualquer comentário. Fase essa que me ajudou a crescer ainda mais. Mas o tempo era pouco e corria rápido de mais, por vezes parecia que não tinha pedalada para ele…inimigo?! Talvez, porque por vezes foi muito rápido, por vezes muito lento. Amigo!? Também, porque me fez aprender, a observar, a analisar, a canalizar energias, a tirar conclusões, a traçar objectivos, uma infinidade de coisas que se resumem a uma super estonteante palavra, crescer… nesta fase dei valor a muitas coisas que até então não tinham o mínimo de significado, agora reapareço na vida renovado e com múltiplas forças, que ainda me fazem agarrar mais a vida dar-lhe mais valor e ser feliz. É tão bom estar de volta e ser feliz.

sexta-feira, junho 17, 2005

;) ;(

Num gesto pode caber
A alergria ou o pesar.
Fecha-se a mão para ter,
Abre-se a mão para dar.

domingo, junho 05, 2005

A Mosca e a Aranha

Num país longínquo vivia um príncipe, que julgava que no mundo havia coisas e animais que não serviam para nada.
Dizia com muito mau-humor:
-As moscas servem unicamente para nos incomodar. E as aranhas servem para sujar tudo com as suas sujas teias.
Em certa ocasião, esse príncipe perdeu uma batalha e, perseguido pelos seus inimigos, teve de fujir atrvés de um bosque.
Setiu-se perseguido dia e noite. Estava já tão cansado que, a um certo momento, pôs-se a dormir junto ao tronco de uma árvore.
Foi acordado por uma forte picadela de uma mosca. Viu que perto dele já estavam os seus perseguidores e correu a refugiar-se numa gruta.
Os seus inimigos aproximaram-se. Olharam para a gruta e um deles disse:
-Aqui dentro não deve estar ninguém.
Um outro perguntou:
-por que dizes isso?
Replicou-lhe:
-Porque a entrada da gruta está coberta com uma grande teia de aranha. Se alguém tivesse entrado, estaria despedaçada.
Ficaram convencidos e afastaram-se.
Foi deste modo que o príncipe se salvou. E desde então deixou de pensar que na natureza há coisas inúteis. Ficou a saber que até as moscas e as aranhas servem para algo.

quarta-feira, maio 18, 2005

O que tem sido esta minha vida com Deus, 2ª Parte

(a continuação, a parte melhor)
No meu décimo ano fui estudar para a Guarda, na área de científico-natural (desporto). Até ao meu décimo primeiro ano tudo correu bem. Mas depois a minha mãe voltou a casar e teve outro filho (que eu amo muito). As coisas começaram-se a complicar de novo, porque o meu padrasto tinha, com o novo filho, perdido o amor que nós pensávamos que tinha connosco! A minha mãe não aguentou que ele nos tratasse como uns desconhecidos e resolveu divorciar-se outra vez, ganhando também a tutela do meu irmão mais novo.
Passado um ano a minha mãe apaixonou-se outra vez. Eu não queria. Não é que não gostasse dele. Era porque, simplesmente, sabia que íamos sofrer de novo. Aconteceu de novo… Tive uma zanga com a minha mãe porque ela resolveu deixar tudo o que tínhamos construído até então, para irmos viver para o norte do país. Discutimos, e ,no desespero, saí de casa. Onde estava Deus nesta altura?!
Fui viver para outra cidade. Tinha conhecido uma médica através do meu padrinho que me acolheu em sua casa e me ajuda agora quase como um filho. Desde essa altura, com o que ganho no futebol, com a ajuda do meu padrinho e dessa médica, tenho tentado viver feliz. E até tenho conseguido. Já perdoei à minha mãe. Mas ela continua lá na vida dela e eu vou construindo a minha. Mesmo passando por algumas dificuldades, estou consciente que tenho conseguido. E nisto fui percebendo que aqui podia existir a mão de Deus.
Mas honesta e verdadeiramente só agora, depois de ter passado por aquele grande susto (fractura da costela), deparei que Deus nunca me abandonou. Tudo o que me aconteceu na vida fez-me crescer, ensinou-me a perdoar, a amar e a dar valor a muitas coisas que até então me passavam despercebidas.
Nos últimos dias tenho-me aproximado com sinceridade e humildade a Deus. Com essa aproximação, Deus pôs-me no caminho um grupo sensacional de amigos da diocese da Guarda, que conheci no dia 7 e 8 de Maio no Fátima Jovem. Desculpem os outros, mas neste grupo tenho que realçar uma pessoa muito especial, o Gabriel.
DEUS, EU AMO-TE. DESCULPA!
Fátima Jovem 2005 023
Eu e o meu novo amigo, o Gabriel...
Fátima Jovem 2005 026
O pessoal...

segunda-feira, maio 16, 2005

O que tem sido esta minha vida com Deus, 1ª Parte

Como vos tinha prometido no meu último post, vou-vos falar do meu reencontro com Deus e dos Amigos que fui fazendo ao longo desta caminhada.
Quem costuma visitar o meu Blog e lê os meus posts apercebe-se que tive uma infância muito triste, cheia de violência, devido ao álcool que o meu pai ingeria, que passei por dificuldades económicas (cheguei a passar fome), que sofri com o divórcio dos meus pais, que chorei com a morte do meu avô.
Por outro lado, fui educado numa família religiosa. Venerava Deus, amando-O acima de tudo e de todos. E desde pequeno tive uma vontade de ser padre, que se veio a fortalecer mais tarde quando conheci um padre jovem. Ele informou-me acerca dos passos que teria de dar para concretizar essa vocação. Foi então que, com dez anos, resolvi ir para o Seminário, um Seminário chamado de Menor porque os alunos frequentavam do 5º ao 9º ano. Nos primeiros dois anos consegui acalmar o meu coração e organizar as minhas ideias, o que até então pareciam peças de puzzle perdidas na minha cabeça. Mas com o decorrer dos anos fui crescendo e amadurecendo, e fui dando conta de muitas injustiças que se passavam dentro daquela casa. Qual foi a minha reacção? Simplesmente comecei a virar-me contra Deus… e contra os membros responsáveis daquela casa. Mais dois anos passados, e cometi o grave erro de fugir pela calada da noite do Seminário. Fugi apenas para uns copos. Fui apanhado, mas não perdoado!!!
Nessa ocasião, e falando com Deus dizia:
-Sei que errei, desculpa! Mas, há aqui tanta gente que veio para aqui por obrigação, e já cometeram o mesmo erro e erros mais graves, e porque é que a mim, que quero seguir esta vida, me fazes isto?!
A partir daquele momento, virei as costas a Deus… Nunca mais falei com Ele.

(continua)

terça-feira, maio 10, 2005

De regresso

Voltei!!!
Em primeiro lugar queria agradecer a todas as pessoas que na minha ausência me visitaram e se preocuparam comigo… (já estava com muitas saudades vossas e do nosso cantinho)
Tenho tanto para vos contar que nem sei bem por onde começar. Esta minha ausência aconteceu devido a uma fractura numa costela. Ainda não vos tinha dito mas eu jogo a bola, na segunda divisão nacional de juniores e represento a Associação Desportiva Recreativa e Cultural Valdamulense. Era mais um jogo a contar para o campeonato e eu como sempre estava a dar o meu melhor em prol da equipa. Num lance típico de futebol, a bola é centrada para a área, a bola vinha alta, não tinha outra alternativa para fazer o golo. No intuito de fazer o golo lancei-me para a bola, naquilo que na gíria futebolística chamam de pontapé à bicicleta. Quando caí, caí mal, muito mal. Apesar de ter feito o golo, fracturei a costela. Fui levado de emergência para o hospital, no caminho desmaiei e voltei a desmaiar, primeiro pelas dores (eram tantas as dores, se não me tivesse acontecido a mim nem ia acreditar), em segundo porque a uma certa altura tentei mexer as pernas e não consegui. Já podem imaginar o que pensei, não já?! É verdade nessas alturas pensa-se o pior, pensei que tinha ficado paraplégico. A minha vida parecia que estava a acabar ali. Felizmente isso não aconteceu, graças a Deus! Agora vejo que tudo o que me aconteceu na vida foi mal mas, não foi assim tão mal! As quezílias, os rancores, as dificuldades do dia a dia são ultrapassáveis, sinceramente agora não sei se seria capaz de viver limitado! Talvez sim, talvez não…
Também, não vos tinha contado mas andava de costas voltadas a Deus! Já lhe pedi desculpas…e lhe agradeci por me ter dado forças para me safar desta. Parece impossível, mas quem eu menos contava que me ajudasse, ajudou! (ironia do destino)
Neste momento tenho a confiança e o amor renovado com Deus, cada dia que passa tenho me aproximado mais dele. Nesta aproximação e procura do amor Dele, já fiz uma data de amigos e um muito especial, mas desta aventura conto-vos no próximo post.
Agora vou-vos deixar um pequeno pensamento que encontrei para aqui, que ajuda a fortalecer a mensagem que vos tento passar com a minha experiência de vida.

“Jesus Cristo não resolve
as nossas dificuldades,
dá-nos força
para as resolvermos.
Imprime um sentido novo
ao nosso viver.”

segunda-feira, fevereiro 28, 2005

A minha vida está a desabar!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Sinto-me envergonhado. Tens toda a razão para te sentires como te sentes. Tens toda a razão para odiares. Deve ser difícil para ti, como será para os outros. A fragilidade é um ponto quente na vida de cada um. Quem teve sempre tudo certinho?! Quem?! Tu?! Nunca te sentiste frágil?! Podes até dizer que nalgumas coisas foste sempre forte. Óptimo. Ainda bem que há gente assim. Mas não há ninguém igual. Há momentos em que as pessoas não entendem porque fazem certas coisas. Uma coisa são as fragilidades, outras, o AMOR. O amor devia ajudar a resolver tudo, mesmo as fragilidades Mas há ocasiões em que a falta do amor, a falta de algo, ou a ausência de sentidos que não sejam o amor, o a curisosidade, ou ... tanta coisa, meu Deus.
Mas o pior que pode acontecer é que em vez de oferecermos ajuda, obrigarmos as pessoas a sentirem-se ainda mais mal. Essa laia, como tu chamas, faz parte de uma luta grande. Muitas vezes foi vencida. Algumas não. Choro por esses.
Não te vingues do amor. Vingar as fragilidades, ou pecados, ou como lhe quiseres chamar, é uma forma de aumentar a quantidade de pessoas frágeis. Mais correcto, se queres vingança de infidelidades, que uses abandonar quem amas. Se for esta a tua forma de sentir, que seja. Doerá a quem te ama... mas que tb já te magoou... e por isso tem todo o dever de saborear o sofrimento. Mas vingar-te assim, estás a incorrer nos mesmos erros. Fizeste sacrifícios (como dirás tu a seguir). E quem os não fez?! Quantos sofrimentos não partilhaste já com essa pessoa?! Os teus. E os dela?! Já partilhaste os dela?!
Não precisarás é de continuamente martirizares mais essa pessoa, sobretudo naquilo que mais a magoou sempre durante toda a sua vida. Pensas que será fácil arcar com o peso dessas laias, dessas misérias. Quantas vezes as pessoas deixaram de ser felizes porque a felicidade era borrada com o passado, com a miséria, com o saber-se diferente... demasiado diferente. Já passaste um pouco por isso. Compreenderás?! E quando sofreste, como disseste, ultimamente com questões familiares, também não querias tocar no assunto que te fazia sofrer. E quem esteve ao teu lado?! E quem sofreu contigo?! E quem teve de aguentar nos ombros coisas que não eram necessárias, só porque amava?! Quem?! É mais fácil deitar tudo a perder, não é? Fugir? Insinuar um suicídio?! Vou pensar nisso. esta bomba, porque é uma bomba o que tu contas, pode bem explodir nas mãos...
Neste momento cai uma lágrima de solidariedade contigo... Tens todo o direito a ser feliz. Procura a felicidade. Já sofreste que chegasse. Sê forte. O mundo ainda não desabou. O teu, pelo menos. Ainda te vão ver sorrir para a vida, construindo um mundo, um emprego, uma família. Essa pessoa se é verdadeira no seu amor, não te abandonará nunca... mesmo que a sua presença tenha de ser outra.

Chegou a hora H. Para ti e essa pessoa que amas. Chegou para essa pessoa uma hora H muito estranha... FORÇA AMIGO.